Blog

O futuro do trabalho é remoto, global e colaborativo

A natureza do ambiente de trabalho tem mudado significativamente nos últimos anos, e o ano de 2020 proporcionou o impulso necessário para acelerar essa mudança.

A crise da COVID-19 é apenas uma parte de uma mudança que está sendo influenciada por mudanças maciças na paisagem geopolítica e social.

Globalismo ou nacionalismo? Força de trabalho corporativo ou gig economy? Trabalho remoto ou no escritório? Uma nova normalidade ou os negócios de sempre? 2020 nos deu mais perguntas do que respostas e, neste post, vamos abordá-las. 

Globalismo ou nacionalismo?

Apesar da conversa sobre tarifas e guerras comerciais, os negócios globais continuam a impulsionar o crescimento econômico, como relata a Bloomberg:

Embora Trump esteja impondo novas barreiras comerciais nos Estados Unidos, o restante do mundo está, em resposta, diminuindo-as entre si.

  • Um pacto europeu com o Japão entrou em vigor no início deste ano. Outro com o Canadá, no ano passado.
  • O Japão e outras 10 economias do Pacífico avançaram com a Parceria Trans-Pacífica.
  • Na África, países estão avançando com um acordo de livre comércio continental.

A tecnologia e os serviços são os reais protagonistas neste crescimento, como ressalta McKinsey:

A globalização está em meio a uma transformação. No entanto, o debate público sobre o comércio é muitas vezes sobre recapturar o passado ao invés de olhar para o futuro.

Os serviços transfronteiriços estão crescendo acima de 60% mais rápido do que o comércio de mercadorias e geram muito mais valor econômico do que a captura as estatísticas comerciais tradicionais.

 

Em uma entrevista recente sobre seu último livro, The Ages of Globalization (As Eras da Globalização), o professor Jeffrey Sachs explica: 

A globalização não está se acabando. O número de terabytes que circulam o mundo é inimaginável e se expande rapidamente. Fundamentalmente, a globalização é guiada pela tecnologia e de comunicação e transporte. Isto não está se acabando. A era digital será intensamente global. Talvez trabalharemos de casa, mas posso garantir que trabalharemos globalmente.

Força de trabalho corporativa gig economy?

A complexidade dos desafios dos negócios modernos demanda uma abordagem colaborativa.

Pessoas trabalhando sozinhas têm menos chances de superar esses problemas.

No livro Rebel Ideas (Ideias Rebeldes), Matthew Syed aponta que a mudança do trabalho individual para o trabalho em equipe é a tendência mais significante na criatividade humana.

O autor destaca seu ponto de vista com essas inegáveis observações:

  • Na ciência e engenharia, 90% dos trabalhos acadêmicos são agora elaborados por times.
  • A maioria das patentes atualmente são concedidas a times, e não a indivíduos.
  • 25 anos atrás a maioria dos fundos de capital era administrada por indivíduos; hoje, a grande maioria é administrada por equipes

Está claro que o trabalho em equipe é o futuro do sucesso em muitas indústrias, embora a gig economy e o trabalho online tenham mudado as relações contratuais.

Até mesmo o modelo de Hollywood de montar e, em seguida, desmantelar os melhores talentos para cada projeto depende da comunicação e da colaboração para o sucesso.

Como consultor de gestão do conhecimento, Nick Milton, explica:

Para um profissional do conhecimento, seu valor no trabalho está diretamente relacionado ao quanto você pode aprender, ao quanto você pode aplicar o que aprendeu e ao quanto você pode compartilhar novos conhecimentos com outros. Não o quanto você sabe individualmente.

Trabalho remoto ou no escritório?

O debate sobre a permanência a longo prazo do trabalho remoto impulsionou possivelmente mais tweets e colunas de revistas do que qualquer outro tópico de negócios nos últimos meses.

Embora seja improvável que vejamos uma força de trabalho 100% remota, o aceleramento de sua adoção mais ampla entre os profissionais do conhecimento é convincente.

Os colaboradores estão, em sua maioria, mais satisfeitos, e, ao que parece, se tornando melhores, assim progressivamente os negócios estão aderindo à modalidade.

Os colaboradores estão mais satisfeitos

De fato, McKinsey relatou que 80% dos colaboradores gostam mais de trabalhar de casa.

Quase um terço dos trabalhadores pesquisados pela PricewaterhouseCoopers disseram que preferiam nunca mais voltar a trabalhar no escritório, enquanto 72% disseram que gostariam de trabalhar fora dele pelo menos dois dias por semana.

E 42% dos trabalhadores tiveram uma visão positiva do trabalho remoto contra 14% que o viram negativamente de acordo com a Wells Fargo e Gallup.

Estamos aprimorando

Os números mostram que as preocupações tradicionais com a diminuição da produtividade são infundadas.

McKinsey informa que 41% dos funcionários dizem que são mais produtivos trabalhando em casa, e 28% que são tão produtivos quanto seriam no escritório.

De acordo com Korn Ferry, dois terços dos colaboradores dizem que são mais produtivos trabalhando em casa.

E o setor tecnológico mostra os maiores resultados com Dice relatando que 53% dos tecnólogos listam maior produtividade como um benefício de trabalhar de casa.

As empresas estão aderindo ao trabalho remoto

O maior indicador de seu sucesso talvez seja a forma como as empresas o estão incentivando e facilitando a longo prazo.

Os principais operadores tecnológicos estão todos vendo os benefícios e aproveitando a onda do trabalho remoto, como relatado neste artigo da revista Forbes:

Salesforce Google, Facebook, Spotify, Slack, Shopify, PayPal e Uber, todos informaram a seus respectivos funcionários que podem continuar trabalhando de casa até o final do ano ou até o verão de 2021. Algumas empresas, incluindo Twitter, Square e Zillow, deixaram claro que seus funcionários podem trabalhar remotamente pelo tempo que quiserem.

Os comentadores se concentram freqüentemente em potenciais reduções nos custos de escritório para grandes corporações. Mas, como aponta a revista HR Director, os benefícios para as empresas globais que adotam o trabalho remoto são muito mais profundos do que a redução do tamanho da sede da empresa.   

Os líderes de RH também começarão a perceber, se ainda não o fizeram, que existem grandes vantagens para as equipes remotas globais.

Em particular, as equipes remotas são por si mais eficientes e, quando são globais, trazem valiosos insights sobre os mercados locais, o que pode aumentar muito o desempenho geral de uma empresa.

E finalmente, quando as empresas aderem ao trabalho remoto, significa que o pool de talentos ficou muito maior. – Revista HR Director

O futuro é global, liderado por equipe, e remoto

A tecnologia tornou possível o trabalho conjunto através de fronteiras e fusos horários. A pandemia global acelerou a adoção desta tecnologia e agora colaboradores e empregadores estão como nunca antes optando pelo trabalho remoto.

Os negócios globais serão cada vez mais dependentes do sucesso de equipes remotas trabalhando através de divisões culturais. Ao contrário das equipes locais, as equipes remotas globais enfrentam fricções culturais que podem prejudicar o sucesso, não importa o quão talentosa a equipe, ou quão inteligentes as tecnologias.

As organizações que lidam com este atrito cultural podem desencadear o poder revolucionário da diversidade dentro de equipes globais remotas, levando a uma maior produtividade, inovação e crescimento. Equipes que não o fazem, correm o risco do fracasso de qualquer iniciativa em toda a empresa.

A Learnship ajuda as equipes globais remotas a combater o atrito cultural e a capturar seus dividendos de diversidade, aprimorando a fluência no idioma comercial, a inteligência intercultural e as habilidades de comunicação pessoal.  

Learnship Sprint wins Brandon Hall Award